© 2018 by Sinem Taş

Fizeram Zehra casar com seu primo que mora na Alemanha. Ela viu o homem com quem se casaria somente uma vez, na noite do casamento deles... Seu marido partiu para a Alemanha na noite seguinte e nunca mais voltou. Zehra serviu a família dele, que visitava Antakya todos os anos, e ela tinha esperanças de que eles poderiam levá-la para a Alemanha com eles... Cinco anos se passaram...

Zehra era sobrinha de minha avó. Um dia, minha avó percebeu a situação e disse para seus filhos que viviam na Alemanha procurarem saber notícias do marido da sobrinha. Vovó soube que o marido de Zehra casou-se novamente e tinha uma família na Alemanha, enquanto ela esperava por ele em Antakya, com as esperanças de que a levariam para a Alemanha com eles.

Ela vinha de uma família pobre, que não teve acesso à educação. Não sabia ler nem escrever e nunca tinha deixado Antakya. Minha avó decidiu ajudar Zehra, mandando-a para a Alemanha. Vale ressaltar que vovó também não sabia ler nem escrever.

Ninguém disse a Zehra que ela poderia tornar-se cidadã alemã devido ao seu casamento. Ela também não estava ciente sobre seus direitos em relação àquele casamento. Minha avó pediu aos filhos que moravam na Alemanha para cuidarem de todos os documentos e comprarem o bilhete de avião para a sobrinha. Tudo estava pronto.

No dia em que Zehra partiria para a Alemanha em Adana, minha avó tinha uma consulta médica no hospital e meu tio precisava acompanhá-la (ela era diabética). Vovó disse ao meu tio: “leve Zehra ao aeroporto de Adana primeiro, assegure-se de que ela pegou seu voo corretamente. O hospital não é uma emergência. Vamos ter a certeza de que ela terá uma vida para viver”. A consulta médica de vovó foi remarcada para o dia seguinte, pois meu tio levou Zehra ao aeroporto. Na manhã seguinte ao embarque de Zehra, ligaram para minha avó para dizer que a sobrinha tinha feito uma ótima viagem. Após a ligação, vovó deu seu último suspiro, exatamente ali, naquele momento.

Zehra nunca se esqueceu de minha avó e de tudo o que ela fez. Zehra aprendeu a ler e escrever em alemão, tornou-se cidadã alemã, divorciou-se de seu marido, apaixonou-se por outra pessoa e casou-se novamente. Ela é aposentada e tem dois filhos atualmente.

O nome de minha avó era Hayriye, que significa “ser bondoso, generoso”. Pessoas vivem pelos seus nomes. Vovó certamente viveu. Talvez ela possa não ter brilhado em sua própria vida, mas ela se tornou a faísca que acende a vela que ilumina a vida de diferentes pessoas.